Em dezembro de 2011, surgiu uma série britânica de ficção científica que tem feito muita gente refletir a respeito da psiquê humana e das possíveis consequências da evolução tecnológica nas sociedades contemporâneas: Black Mirror.

Criada por Charlie Brooker, esta série é composta por episódios autônomos, centrados em temas obscuros e satíricos da sociedade moderna. Estes temas estão sempre relacionados com as consequências imprevistas das novas tecnologias.

Já na sua 4ª temporada, Black Mirror segue a mesma lógica das temporadas anteriores e nos faz prender a respiração em cada um dos seus 6 episódios. O episódio 03, Crocodilo, parte dos moldes de um suspense clássico, com toques de drama. Ele gira em torno de duas protagonistas: Mia (Andrea Riseborough), que é arquiteta e Shazia (Kiran Sawar), funcionária de uma seguradora.

3
Adrea Riseborough e Kiran Sawar

Todas as pessoas que trabalham com arquitetura sabem o quanto é difícil a construção de uma carreira nesta área. Muitas horas de trabalho, mercado fechado, falta de reconhecimento profissional, são tantos os percalços que poucos são aqueles que realmente conseguem se tornar arquitetos de sucesso.

Se você conseguisse (ou se você conseguiu) alcançar o tão almejado sucesso profissional, até onde você iria para evitar que eventos obscuros do passado venham à tona e prejudiquem a sua reputação? A Mia foi bem longe!

A trama de Crocodilo começa com um acidente que envolve a arquiteta, seu namorado e um ciclista. Anos após o acidente, o episódio se desenrola ao redor da vida da arquiteta, que faz insanidades para que este fantasma do passado não apareça e estrague a sua vida.

 

casa da arq.jpg
Casa da arquiteta

Durante mais da metade do episódio, o roteiro articula duas histórias paralelas e independentes: o crime cometido pela arquiteta famosa e a investigação da funcionária de uma seguradora a respeito de um pequeno incidente sem gravidade, envolvendo outros personagens. Quando as histórias finalmente se encontram, o suspense atinge o clímax.

A tecnologia destaque deste capítulo é uma máquina capaz de invadir a memória das pessoas. Na ausência de provas para comprovar possíveis delitos e infrações, uma agulha introduzida na cabeça do cidadão pode resgatar imagens de sua memória e revelar para as autoridades, com exatidão, o que ocorreu

A atuação de Riseborough é ótima. Ela consegue ser assustadora no papel de uma mulher pragmática e calculista, uma arquiteta que não mede consequências para manter sua fama e status social.

Além de ser um suspense leve e coeso, Crocodilo conta com boas atuações e uma fotografia fantástica. Um episódio imperdível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s